Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Paixão por Lisboa

Espaço dedicado a memórias desta cidade

Paixão por Lisboa

Espaço dedicado a memórias desta cidade

Ainda as Demolições

Da zona envolvente do Mosteiro dos Jerónimos, que foi demolida para dar lugar à Exposiçao do Mundo Português, em 1940, e sobre a qual já escrevi por aqui umas linhas, deixei de fora contudo outros edifícios, que por se encontrarem, na zona diametralmente oposta, relativamente ao Mosteiro dos Jerónimos, e por não fazerem parte da zona mais afectada, não me mereceram então a atenção devida. Vamos pois ver o caso de um deles.
O palacete que em muitas fotografias surge à esquerda do Mosteiro, muito próximo do local onde hoje podemos ver o Museu da Marinha, foi mandado construir por José Maria Eugénio de Almeida, à época provedor da Casa Pia de Lisboa, instituição que tinha passado a ocupar os terrenos anexos ao Mosteiro desde 1833. Este palacete neoclássico, destinado a morada do próprio, foi o primeiro de muitos edifícios a ser demolido, para a dita Exposição, em 1939.

Parada da Marinha Portuguesa junto do Mosteiro dos

Parada da Marinha Portuguesa junto do Mosteiro dos Jerónimos, fotografia aérea, entre 1930 e 1932, fotógrafo n/i, in a.f. C.M.L.

Fotografia aérea das zonas de Belém e Ajuda, ent

Fotografia aérea das zonas de Belém e Ajuda, entre 1930 e 1932, fotógrafo n/i, in a.f. C.M.L.

Fotografia aérea sobre o Mosterio dos Jerónimos

Fotografia aérea sobre o Mosteiro dos Jerónimos e da Praça do Império, entre 1930 e 1932, fotógrafo n/i, in a.f. C.M.L.

Mosteiro dos Jerónimos, vista de nascente para po

Mosteiro dos Jerónimos, vista de nascente para poente, da fachada sul, vendo-se ao fundo, do lado esquerdo o Palácio Marialva, e mais à direita o Palacete de José Maria Eugénio de Almeida, foto de Kurt Pinto, in a.f. C.M.L.

 

Antiga Igreja de Arroios

"Segundo alguns historiadores portugueses, a Igreja de S. Jorge de Arroios teria sido erigida em 1148 pelo Bispo de Lisboa, então reconquistada; mas na opinião de outros, os princípios deste templo perdem-se na bruma dos tempos, e a capela só se tornou conhecida como a capela de S. Jorge de Arroios em 1168. Foi neste lugar, disseram, que depois se construiu a igreja que o terramoto de 1755 arrasou completamente.
Há documentos antigos, onde se lê que a paróquia de Arroios foi uma das primeiras, mas que andou transferida por igrejas e capelas até ao último quartel do século XVIII. Nessa época foi adquirido um terreno no Largo de Arroios para se construir uma igreja paroquial, só inaugurada em 1829.
Era então uma igrejinha muito simples, apenas com uma nave que foi restaurada em 1895. Esteve muito tempo fechada, não se celebrando nela nenhum culto, o que se fazia então na igreja do convento, que veio a ser mais tarde o hospital de Arroios.
Em 1937 fizeram obras na Igreja de Arroios e três anos depois era dotada com um guarda-vento, junto do qual se achava o antigo cruzeiro de Arroios. Este cruzeiro é um monumento nacional e valioso. Está talhado em pedra lioz, tem numa face o Cristo crucificado e na outra S. Vicente.
Em 1969 a igreja não satisfazia e a urbanização da cidade fê-la demolir por não comportar um mínimo necessário ao apostolado moderno."
in Olisipo : boletim do Grupo "Amigos de Lisboa", A. XXXVI, n.º 136, Janeiro/Dezembro 1973

Igreja de Arroios, fachada principal1.jpg

Igreja de Arroios, fachada principal, ant. a 1945, foto de José Arthur Leitão Bárcia, in a.f. C.M.L.

Atlas da carta topográfica de Lisboa, n.º 6, 185

Atlas da carta topográfica de Lisboa, n.º 6, 1858, de Filipe Folque, in A.M.L.

Levantamento topográfico de Francisco Goullard, n

Levantamento topográfico de Francisco Goullard, n.º 58, 1881, in A.M.L.

Cruzeiro da igreja de São Jorge de Arroios, foto

Cruzeiro da igreja de São Jorge de Arroios, ant. a 1945, foto de José Arthur Leitão Bárcia, in a.f. C.M.L.

Igreja de Arroios, fachada principal.jpg

 Igreja de Arroios, fachada principal, ant. a 1945, foto de José Arthur Leitão Bárcia, in a.f. C.M.L.

Igreja de Arroios, fachada principal, anos 50, fot

Igreja de Arroios, fachada principal, anos 50, foto de Judah Benoliel, in a.f. C.M.L.

 

A Praça do Comércio e as árvores

As árvores na Praça do Comércio (cuja existência e abate sempre levantaram polémica), surgiram de uma proposta em sessâo municipal a 11 de Dezembro de 1865, por parte do vereador Polycarpo dos Santos, para arborização da referida Praça.
Plantadas as árvores, foram no entanto necessários vários anos, até que estas tivessem uma copa capaz de abrigar do sol, quem frequentava o local e se sentava nos bancos existentes à data na praça.
Foi precisamente a dimensão das copas, o motivo do fim das árvores, tornava-se impossível, a partir do centro da praça, ver as arcadas e as janelas de todo o conjunto pombalino.
A Real Associação de Arquitectos, foi quem mais pressão fez junto da edilidade, até que as mesmas fossem arrancadas. O que veio a suceder na segunda década do séc. XX, quando às árvores se juntaram os bancos de pedra, sendo tudo arrancado, também neste caso, por decisão camarária.

Panorâmica da praça do Comércio, foto de Paulo

Panorâmica da praça do Comércio, foto de Paulo Guedes, in a.f. C.M.L.

Praça do Comércio ni.jpg

Praça do Comércio, fotógrafo n/i, in a.f. C.M.L.

Ociosos na praça do Comércio, 1907, foto de Josh

Ociosos na praça do Comércio, 1907, foto de Joshua Benoliel, in a.f. C.M.L.

Forças policiais em exercícios, 1918, foto de Jo

Forças policiais em exercícios, 1918, foto de Joshua Benoliel, in a.f. C.M.L.

Praça do Comércio, foto Joshua.jpg

Praça do Comércio, foto de Joshua Benoliel, in a.f. C.M.L.

Praça do Comércio, 1907, foto de Joshua.jpg

Praça do Comércio, 1907, foto de Joshua Benoliel, in a.f. C.M.L.

Praça do Comércio, edu.jpg

Praça do Comércio, foto de Eduardo Portugal, in a.f. C.M.L.

 

Acabou o cativeiro da Torre!

"Assim acabou o cativeiro da Torre de Belém - após 50 anos de clamor contra o gasómetro.
A operação do derrube das duas chaminés que ladeavam a torre de Belém atraiu ao local muitas pessoas que, avisadas da hora da explosão, manifestaram grande ansiedade em assistir ao desmoronamento...Os trabalhos de demolição foram dirigidos pelo eng. Bastos Gonçalves, que colocou cinco quilogramas de dinamite, divididos em pequenas parcelas, na base de cada chaminé.
Eram 15 e 10, quando se ouviu um toque de clarim, que constituía o convencionado sinal de precaução para as pessoas que se encontravam nas imediações. Dez minutos depois, novo toque de clarim deu sinal para a primeira explosão, que se ouviu logo a seguir. Depois de um pequeno período de fumo e poeira, que se revelou na base da chaminé, verificou-se que esta sofrera um forte rombo, que no entanto não fora suficiente para a fazer cair. Uma segunda explosão, preparada para daí a instantes, abalou então a base da coluna, que caiu sobre a direita, quase suavemente, até atingir o solo, com grande estrondo e levantando no espaço grossa nuvem de fumo e poeira.
Logo a seguir preparou-se a queda da chaminé do lado, para o que logo foi dado o novo sinal, sonoro. Também esta não caiu à primeira explosão, nem mesmo à segunda, só a detonação de um terceiro tiro se revelando com energias bastantes para eliminar as ultimas resistências da sombra negra que teimava em não se separar da imagem da torre de Belém."
in Diário de Lisboa, 7 de Junho de 1950

Chaminés da Fábrica do Gás em Belém, demoliç

Chaminés da Fábrica do Gás em Belém, demolição , foto de Claudino Madeira, in a.f. C.M.L.

Fotografia aérea sobre a zona de Belém, vê-se a

Fotografia aérea sobre a zona de Belém, vendo-se a fábrica de gás, 1938, foto de Kurt Pinto, in a.f. C.M.L.

Fábrica de gás de Belém 1912, foto de Joshua Be

Fábrica de gás de Belém, 1912, foto de Joshua Benoliel, in a.f. C.M.L.

Fábrica do gás de Belém no dia em que deixou de

Fábrica do gás de Belém, no dia em que deixou de funcionar, 9-6-1949, fotógrafo n/i, in a.f. C.M.L.

Fábrica do gás de Belém no dia em que deixou de

 Fábrica do gás de Belém, no dia em que deixou de funcionar, 9-6-1949, fotógrafo n/i, in a.f. C.M.L.

Fábrica de Gás de Belém 1.jpg

Fábrica de Gás de Belém , fotógrafo n/i, in a.f. C.M.L.

Primeiro tiro que abateu a chaminé do lado nascen

Demolição das chaminés, fotógrafo n/i, in a.f. C.M.L.

demoliçao fabrica gas.jpg

Demolição das chaminés, fotógrafo n/i, in a.f. C.M.L.

A Fábrica do Gás de Belém, demolição.jpg

Demolição das chaminés, fotógrafo n/i, in a.f. C.M.L.

Fotografia aérea da Torre de Belém,anos 50 foto

Fotografia aérea da Torre de Belém, após as demolições, foto de Filmarte, in a.f. C.M.L.

Incêndio do Chiado

"Um incêndio de grandes proporções destruiu no dia 25 de Agosto de 1988, parte da zona histórica do Chiado, uma das mais caracteristicas da Baixa Pombalina e da cidade de Lisboa. A área atingida, cerca de oito mil metros quadrados, é delimitada pela Rua Garrett, Rua lvens, Calçada de S. Francisco, Rua Nova do Almada, Rua de S. Nicolau. Rua do Crucifixo, Rua da Assunção, Rua do Ouro, Rua de Santa Justa, Rua do Carmo e Calçada do Sacramento.
Em poucas horas, um património histórico-cultural secular e de valor único para a cidade e para o país foi consumido pelas chamas. Desaparecia parte da zona nobre e elegante do Chiado, centro do comércio tradicional lisboeta que ali se desenvolveu depois do terramoto de 1755 e a que Eça de Queirós e Camilo, entre diversos escritores e figuras da vida cultural, deixaram para sempre o seu nome ligado.
Grandes armazéns como o Grandela, criado no fim do século XIX por Francisco Grandela e o Chiado, fundado pela famllia Nunes dos Santos em 1905, ficaram completamente destruídos. Outros estabelecimentos de grandes tradições foram igualmente atingidos: a <<Casa José Alexandre>>, bem representativa do Chiado do século passado. <<Casa Eduardo Martins>>, o <<Jerónimo Martins>>, fundado em 1792, a <<Pastelaria Ferrari>>, fundada em 1827 e ainda a <<Casa Batalha>>, a mais antiga do país, fundada no distante ano de 1635.
Completamente irrecuperáveis ficaram todos os arquivos históricos da <<Valentim de Carvalho>>, a mais antiga editora discográfica do país.
Combateram o incêndio todas as corporações de bombeiros da área de Lisboa que de forma exemplar souberam evitar, com abnegado esforço e dedicação, que a tragédia atingisse maiores dimensões. De salientar ainda a actuação do Regimento de Sapadores Bombeiros no combate ao fogo, na sequência da qual viria a falecer o bombeiro Joaquim Diogo Catana Ramos a quem a CML, na sua reunião de 5 de Setembro, atribuiu a titulo póstumo a Medalha Municipal de Valor e Altruísmo, grau Prata com palma."

in Lisboa: Revista Municipal N.º 25

Lisboa-Chiado-Fogo^do blog Embaixada de Portugal n

Incêndio do Chiado, foto do blog Embaixada de Portugal no Canadá

img808.jpg

 amb sacchetti fotografia, in http://ambsacchetti.blogspot.pt/2015/06/incendio-do-chiado.html

img674.jpg

amb sacchetti fotografia, in http://ambsacchetti.blogspot.pt/2015/06/incendio-do-chiado.html

img690.jpg

amb sacchetti fotografia, in http://ambsacchetti.blogspot.pt/2015/06/incendio-do-chiado.html

img682.jpg

amb sacchetti fotografia, in http://ambsacchetti.blogspot.pt/2015/06/incendio-do-chiado.html

img689.jpg

amb sacchetti fotografia, in http://ambsacchetti.blogspot.pt/2015/06/incendio-do-chiado.html

img696.jpg

amb sacchetti fotografia, in http://ambsacchetti.blogspot.pt/2015/06/incendio-do-chiado.html

img697.jpg

amb sacchetti fotografia, in http://ambsacchetti.blogspot.pt/2015/06/incendio-do-chiado.html

img736.jpg

 amb sacchetti fotografia, in http://ambsacchetti.blogspot.pt/2015/06/incendio-do-chiado.html

img793.jpg

amb sacchetti fotografia, in http://ambsacchetti.blogspot.pt/2015/06/incendio-do-chiado.html

img805.jpg

amb sacchetti fotografia, in http://ambsacchetti.blogspot.pt/2015/06/incendio-do-chiado.html

img718.jpg

amb sacchetti fotografia, in http://ambsacchetti.blogspot.pt/2015/06/incendio-do-chiado.html

img742.jpg

amb sacchetti fotografia, in http://ambsacchetti.blogspot.pt/2015/06/incendio-do-chiado.html

img812.jpg

amb sacchetti fotografia, in http://ambsacchetti.blogspot.pt/2015/06/incendio-do-chiado.html

ALFREDO CUNHA-LUSA.jpeg

Alfredo Cunha, Agência Lusa

LUIS VASCONCELOS-LUSA 1.jpeg

Luís Vasconcelos, Agência Lusa

LUIS VASCONCELOS-LUSA.jpeg

Luís Vasconcelos, Agência Lusa

 

Monumento aos Restauradores e a Avenida da Liberdade

Segundo vem indicado no arquivo fotográfico da Camâra Municipal de Lisboa, as duas fotografias que a seguir iremos observar, são da autoria de Augusto Bobone, ora se quanto a uma delas nada faz supor o contrário, quanto à outra ficam-me muitas dúvidas, senão vejamos:
A Quinta da Torrinha, foi demolida em Abril de 1916, se numa das fotografias ela se encontra visível, na outra já não se vislumbra, o que me faz supor que a fotografia será posterior a 1916, não podendo por isso ser atribuída a Augusto Bobone, já que o mesmo faleceu em 1910.

Augusto Bobone (fotógrafo das Casas Reais de Portugal e Espanha). Nasceu em 1852; morreu em 1910.

0001_M.jpg

Monumento aos Restauradores e panorâmica da avenida da Liberdade, nesta foto ainda é visivel, a quinta da Torrinha ao cimo da Avenida

0001_M (12.jpg

Monumento aos Restauradores e panorâmica da avenida da Liberdade, nesta foto, já não é visivel, a quinta da Torrinha

 

As Lavadeiras

"A caravana atulhada de trouxas de roupa branca, já lavada nas frescas águas das ribeiras mais próximas, chegava a Lisboa pela manhã.distribuiam-se os fardos e renovava-se a encomenda. Certas estalagens alfacinhas transformaram-se em quartéis-generais do acolhimento ao saloio: a dos Camilos, ao pé da Praça da Figueira, e algumas outras no Poço dos Negros ou na Rua dos Poiais de S. Bento. Eram um misto de taberna, estábulo e casa de pasto. Muitas vezes, a única cama disponível para dormir era a própria trouxa dos lençois para lavar. E, no dia seguinte, partiam trouxa e lavadeira, rumo aos arrabaldes, recomeçando o ciclo da roupa branca."
in "Lisboa Desaparecida", vol. 3, de Marina Tavares Dias

Lavadeiras dos arredores com as trouxas de roupa,

Lavadeiras dos arredores com as trouxas de roupa, foto de Joshua Benoliel, início séc. XX, in a.f. C.M.L.

1.jpg

 Transporte das lavadeiras saloias , 1949, foto estúdios Mário Novais, in a.f. C.M.L.

Lavadeiras, foto de Alberto Carlos Lima.jpg

Lavadeiras, foto de Alberto Carlos Lima, início séc. XX, in a.f. C.M.L.

Lavadeiras, foto de Paulo Guedes.jpg

Lavadeiras, foto de Paulo Guedes, início séc. XX, in a.f. C.M.L.

Lavadeiras, foto de Paulo Guedes1.jpg

 Lavadeiras, foto de Paulo Guedes, início séc. XX, in a.f. C.M.L.

Transporte das lavadeiras saloias , 1949, foto est

 Transporte das lavadeiras saloias , 1949, foto estúdios Mário Novais, in a.f. C.M.L.

 

 

 

 

Abastecimento de Águas em Lisboa - O Alviela

"No dia 3 do corrente realisou-se com a devida solemnidade a inauguração da entrada das aguas do rio Alviella, no dominio do regimen biologico de Lisboa.
Resolveu-se aproveitar as aguas do Alviella, não só pela sua qualidade, superior a quasi toda a agua dos aqueductos de Lisboa, mas porque a cota da sua nascente acima do nivel do mar, 54,33m, permittia com facilidade fazel-a chegar a todos os pontos de Lisboa.
Para o aproveitamento das aguas d'este rio, adoptou-se um traçado que tem de declive constante 0,12m por Kilometro, vindo pela margem direita do Alviella, passa em Pernes, Santarém, Valle de Lobos, Almoster, Ota, Alemquer, Villa Franca, Alhandra, Póvoa, atravessa por meio de um syphão o rio de Sacavem, seguindo aos Olivaes, Chelas, Xabregas, vindo a entrar na cidade pelo valle de Lazaro Leitão, lancando-se no grande reservatorio estabelecido na antiga cerca dos Barbadinhos, na calçada com o mesmo nome, com a cota de 31,66m acima do nivel do mar.
Na antiga cerca dos Barbadinhos, construiram-se os edificios necessarios para um grande reservatorio com tres fortes machinas elevadoras.
Não podemos passar em silencio a obra mais consideravel no trabalho desde a nascemte até á cidade, que é a ponte syphão de Sacavém."
in O Ocidente : revista ilustrada de Portugal e do estrangeiro, N.º 68 e N.º 69, de 15 de Out. e 1 de Nov. de 1880

Estação elevatória dos Barbadinhos.jpg

Estação elevatória dos Barbadinhos, início séc. XX, foto de Alberto Carlos Lima, in a.f. C.M.L.

N68_0005_branca_t0.jpg

http://hemerotecadigital.cm-lisboa.pt/OBRAS/Ocidente/1880/N68/N68_item1/P5.html

Conduta elevatória de Sacavém.jpg

Conduta elevatória de Sacavém, foto de José Chaves Cruz, in a.f. C.M.L.

Estação elevatória dos Barbadinhos, casa da che

Estação elevatória dos Barbadinhos, casa da chegada das águas, início séc. XX, foto de Alberto Carlos Lima, in a.f. C.M.L.

Estação elevatória dos Barbadinhos, bomba a vap

Estação elevatória dos Barbadinhos, bomba a vapor, início séc. XX, foto de Alberto Carlos Lima, in a.f. C.M.L.

Estação elevatória dos Barbadinhos, caldeiras.j

Estação elevatória dos Barbadinhos, caldeiras, início séc. XX, foto de Alberto Carlos Lima, in a.f. C.M.L.

Estação elevatória dos Barbadinhos, casa das m

Estação elevatória dos Barbadinhos, casa das máquinas, início séc. XX, foto de Alberto Carlos Lima, in a.f. C.M.L.

Proibição de desembarque de peixe no Cais das Colunas e do Sodré

"DOCUMENTO N.º 1
OFFICIO.
- SECRETARIA GERAL. - 1.ª Repartição. -N.º 66. ILL.mo e Ex.mo Sr. -Tendo a Camara Municipal de Lisboa expedido as mais terminantes ordens para se conservar o maior aceio nos caes das Columnas e do Sodré, não tem podido conseguir o seu fim porque os respectivos Empregados tem reclamado da Camara as precisas providencias para se evitar naquelles locaes o desembarque de peixe; e sendo certo, que a bôa policia e aceio demandam que se não consinta naquelles recintos o desembarque do dito genero, espera a Camara que V. Ex.ª em attenção ao exposto, se servirá de expedir as suas ordens, fazendo prohibir o referido desembarque de peixe nos ditos caes, evitando por este modo os inconvenientes que de tal abuso se seguem.
Deos Guarde a V. Ex.ª Camara 16 de Janeiro de 1851. -ILL.mo e Ex.mo Sr. Administrador Geral do Pescado do Reino. - O Presidente Nuno José Pereira Basto. - Está conforme. - O Escrivão da Camara, José Maria da Costa e Silva."
in Synopse dos principaes actos administractivos da Camara Municipal de Lisboa do anno 1851

Cais das Colunas.jpg

Cais das Colunas, fotógrafo n/i, in a.f. C.M.L.

Cais das Colunas1.jpg

Cais das Colunas, fotógrafo n/i, in a.f. C.M.L.

Cais do Sodré, 1906.jpg

Cais do Sodré, 1906, fotógrafo n/i, in a.f. C.M.L.

Fragatas no Cais do Sodré, 1892.jpg

Fragatas no Cais do Sodré, 1892, fotógrafo n/i, in a.f. C.M.L.

Os Fotógrafos e Lisboa

Hoje 19 de agosto comemora-se, o Dia Mundial da Fotografia.
A celebração da data tem origem na invenção do daguerreótipo, um processo fotográfico desenvolvido por Louis Daguerre em 1837.
Desde essa data até aos dias de hoje, muitos fotógrafos profissionais e amadores, registaram nas suas camaras, mais ou menos sofisticadas, imagens de Lisboa. Desses registos, uns perduram para a posteridade, enquanto outros, se vão perdendo no fundo das gavetas.

Aqui ficam, em jeito de homenagem, a todos os que tem ilustrado a nossa vida através da fotografia, alguns registos dos próprios enquanto fotógrafos.

1910-Duelo-Afonso-Costa---Alexandre-.jpg

Joshua Benoliel, em cima de um carro prestes a fotografar o duelo entre Afonso Costa e o Dr.Alexandre d'Albuquerque, na Quinta dos Loureiros em Benfica, 1910, in a.f. C.M.L.

B088284.jpg

 Fotógrafo à la minute, no Jardim Zoológico, 1960, foto de Eduardo Gageiro, in a.f. C.M.L.

fotógrafo em serviço, na rua do condes foto de B

Fotógrafo em serviço, na rua do Condes, foto de Joshua Benoliel, in a.f. C.M.L.

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Calendário

Agosto 2016

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031

Pesquisar

 

Mensagens

Visitante

Tradutor

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D