Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Paixão por Lisboa

Espaço dedicado a memórias desta cidade

Paixão por Lisboa

Espaço dedicado a memórias desta cidade

Zona Azul Disco de Fiscalização

 

Ao ver esta foto, veio me à lembrança um distico que o meu pai utilizava no carro, quando iamos à Baixa, a compras.

Lembro-me vagamente que ele ( o distico ), era usado na Baixa e Restauradores, não me lembro se o dito cujo, era utilizado noutros locais, mas penso que não. O Disco de Fiscalização, assim era denominado, era colocado, tal como hoje colocamos os talões dos parquimetros, em local visível, mas eramos nós que rodando o disco indicavamos a Hora de Chegada, e consequentemente o fim do período autorizado.

Por estranho que pareça não consegui recolher quaisquer referências a este "Disco de Fiscalização", em parte alguma, fico-me com as memórias e com o Disco, que já faz parte do legado.

0001_M.jpg

Placa informativa, situada na Rua da Palma, Dezembro de 1964, foto de Augusto de Jesus Fernandes, in a.f. C.M.L.

Zona Azul_Disco de Fiscalizacao_Frente.jpg

Zona Azul Disco de Fiscalização Frente, colecção particular

Igreja do Socorro

A Igreja do Socorro foi construída em 1646, para sede da paróquia com o mesmo nome. A freguesia tinha contudo nascido bastantes anos antes, em 1596, após se ter separado da freguesia de Santa Justa.
Em 1647 foi transferida para esta nova Igreja a imagem de Nossa Senhora do Socorro.
Destruída pelo terramoto de 1755, pouco tempo depois se iniciaram as obras para a reerguer, só ficou no entanto concluída em 1816.
O processo da demolição da Igreja do Socorro, no âmbito do prolongamento da Rua da Palma, iniciou-se em Agosto de 1949, com a escritura de venda, assinada na Câmara Municipal.
Começaram as obras de demolição da Igreja e edifícios anexos no dia 1 de Setembro de 1949.

Igreja do Socorro e teatro Apolo, em primeiro plan

Igreja do Socorro e teatro Apolo, foto de Joshua Benoliel, in a.f. C.M.L.

Planta topográfica de Lisboa 11 G, 1925, de José

Planta topográfica de Lisboa 11 G, 1925, de José António Passos, in A.M.L.

Igreja do Socorro, 1944.jpg

Igreja do Socorro, 1944, foto de Eduardo Portugal, in a.f. C.M.L.

prolongamento da rua da Palma.jpg

Ante-Projecto do prolongamento da rua da Palma, in A.M.L

prolongamento da rua da Palma 1.jpg

Ante-Projecto do prolongamento da rua da Palma, in A.M.L

Igreja do Socorro, parte da fachada principal, Jos

Igreja do Socorro, parte da fachada principal, Joshua Benoliel, in a.f. C.M.L.

Ourivesaria do Socorro, Joshua.jpg

Ourivesaria do Socorro, anexa à Igreja do Socorro, foto de Joshua Benoliel, in a.f. C.M.L.

Rua de São Lázaro e Igreja do Socorro antes das

Rua de São Lázaro e Igreja do Socorro antes das demolições, foto de Eduardo Portugal, in a.f. C.M.L.

Compra da igreja do Socorro. O presidente da Câma

Compra da igreja do Socorro. O presidente da Câmara Municipal de Lisboa assina a escritura da compra, vendo-se junto dele o doutor Carneiro de Mesquita, foto de Judah Benoliel, in a.f. C.M.L.

Compra da igreja do Socorro. O doutor Carneiro de

Compra da igreja do Socorro. O doutor Carneiro de Mesquita, representante do Patriarcado, recebe do presidente da Câmara Municipal de Lisboa um cheque para pagamento da 1ª prestação, foto de Judah Benoliel, in a.f. C.M.L.

Estaleiro da demolição da Igreja do Socorrom 194

Estaleiro da demolição da Igreja do Socorro, 1949, foto de Eduardo Portugal, in a.f. C.M.L.

Demolição da igreja do Socorro, o interior da ca

Demolição da igreja do Socorro, o interior da capela-mor, fotógrafo n/i, in a.f. C.M.L.

Espaço onde existiu a Igreja do Socorro, anos 50,

Espaço onde existiu a Igreja do Socorro, anos 50, foto de Judah Benoliel, in a.f. C.M.L.

 

 

Vilas operárias de Lisboa

"No Roteiro de Lisboa do Anuário Geral de Portugal, edição de 1979, estão contabilizadas 350 vilas, o que dá ideia da importância destes aglomerados no conjunto da cidade.

As camadas mais desfavorecidas da população lisboeta viam-se, na contingência de terem de sofrer condições de alojamento deprimentes, albergadas em palácios arruinados ou conventos desafectados e a maioria das vezes em pátios insalubres. Foi aí que a iniciativa privada começou a interessar-se pela situação, com a construção de vilas operárias, onde as condições não seriam tão miseráveis e que dariam, provavelmente, bons lucros aos investidores.
Das vilas formando ruas, as mais significativas são a Vila Dias, junto a Xabregas, construída em 1888 ao longo da linha de caminho de ferro, e a Vila Berta, à Graça. Construída por Diamantino Tojal em 1902, trata-se de um conjunto interclassista, com edifícios para diferentes estratos sociais e de grande apuro formal, em que também é notável o recurso a estruturas metálicas e a rica decoração em azulejos.

Noutros casos, como parece ser o do Bairro Grandella, a construção de habitações para o pessoal poderia inscrever-se numa atitude de tipo paternalista por parte dos empresários, promovendo imagens como a «grande família» e a «dignificação do trabalho» e não deixando certamente de funcionar como instrumento de controle e de pressão sobre os assalariados. É notório neste último caso o extremo cuidado do arranjo, a qualidade do desenho e também a diversificação das tipologias, reproduzindo naturalmente a hierarquia no trabalho no local de habitação."
in "Pátios e vilas de Lisboa, 1870-1930: a promoção privada do alojamento operário" de Nuno Teotónio Pereira

Bairro Grandela a c l.jpg

Bairro Grandella, foto de Alberto Carlos Lima, in a.f. C.M.L.

Vila Dias, foto de Alberto Carlos Lima.jpg

Vila Dias, foto de Alberto Carlos Lima, in a.f. C.M.L.

Vila Berta, 1964, foto de Artur Goulart.jpg

Vila Berta, foto de Artur Goulart, in a.f. C.M.L.

Vila Dias.jpg

 Vila Dias, foto de Alberto Carlos Lima, in a.f. C.M.L.

Bairro Grandela, foto Alexandre Cunha.jpg

Bairro Grandela, foto Alexandre Cunha, in a.f. C.M.L.

Documentário fotográfico dos Chafarizes da Cidade de Lisboa

Numa altura de calor, como a que estamos a atravessar, nada como um pouco de água para nos refrescar. Mas nem sempre o acesso à mesma foi fácil. Com a distribuição pública de água, através dos vários chafarizes e  marcos fontanários existentes em Lisboa, puderam os Lisboetas mitigar a sede ao longo de muitos anos.

Conjunto de 30 registos, que fazem parte do documentário fotográfico dos Chafarizes da Cidade de Lisboa, inserido num dos Álbuns Fotográficos de Lisboa.
Da Autoria de Fernando Martinez Pozal e captadas no periodo compreendido entre 1947 e 1948, dela fazem parte chafarizes e marcos fontanários espalhados pela cidade, e encontam-se no Arquivo Fotográfico da C.M.L.

Chafariz da Praça das Flores.jpg

Chafariz da Praça das Flores

Marco Fontanário da Travessa Dom Vasco.jpg

Marco Fontanário da Travessa Dom Vasco

Chafariz da Rua de Campolide 1.jpg

 Chafariz da Rua de Campolide

Chafariz da Rua de Campolide.jpg

 Chafariz da Rua de Campolide (2)

Chafariz da Calçada da Glória.jpg

Chafariz da Calçada da Glória

Chafariz da Estrada de Benfica.jpg

Chafariz da Estrada de Benfica

Marco Fontanário da Calçada dos Mestres.jpg

Marco Fontanário da Calçada dos Mestres

Chafariz da Fonte Santa.jpg

Chafariz da Fonte Santa

Chafariz da Praça da Armada.jpg

Chafariz da Praça da Armada

Chafariz da Rua do Arco de São Mamede.jpg

Chafariz da Rua do Arco de São Mamede

Chafariz da Rua do Século.jpg

Chafariz da Rua do Século

Chafariz das Terras.jpg

Chafariz das Terras

Chafariz da Rua Marquês Sá da Bandeira.jpg

Chafariz da Rua Marquês Sá da Bandeira

Chafariz da Travessa do Sebeiro.jpg

Chafariz da Travessa do Sebeiro

Chafariz de Dentro.jpg

Chafariz de Dentro

Chafariz de Santo António da Convalescença.jpg

Chafariz de Santo António da Convalescença

Chafariz de São Sebastião da Pedreira.jpg

Chafariz de São Sebastião da Pedreira

Chafariz do Alto do Pina.jpg

Chafariz do Alto do Pina

Fontenário na Gomes Freire.jpg

Marco fontanário na Gomes Freire

Chafariz do Andaluz.jpg

Chafariz do Andaluz

Chafariz do Carmo.jpg

Chafariz do Carmo

Chafariz do Intendente.jpg

Chafariz do Intendente

Chafariz do Largo da Ajuda.jpg

Chafariz do Largo da Ajuda

Chafariz do Largo do Duque de Cadaval.jpg

Chafariz do Largo do Duque de Cadaval

Chafariz do Largo do Salvador.jpg

Chafariz do Largo do Salvador

Chafariz do Largo dos Trigueiros.jpg

Chafariz do Largo dos Trigueiros

Chafariz do Rato.jpg

Chafariz do Rato

Chafariz do Rio Seco.jpg

Chafariz do Rio Seco

Fontenário na Av. António Augusto de Aguiar.jpg

Marco fontanário na Av. António Augusto de Aguiar

Chafariz do Largo do Mastr.jpg

Chafariz do Largo do Mastro

 

Cruzamento da Avenida dos Estados Unidos da América com a Avenida de Roma

Avenida dos Estados Unidos da América no cruzamen

Avenida dos Estados Unidos da América no cruzamento com a avenida de Roma, foto de Artur Pastor, in a.f. C.M.L.

Com o aumento de trânsito, novas soluções foram necessárias para o descongestionamento das principais vias rodoviárias, neste caso o desnivelamento do cruzamento da Avenida dos Estados Unidos da América com a Avenida de Roma.

pág. 1.jpg

Projecto do cruzamento das avenidas de Roma e dos Estados Unidos da América 1951/2, pág. 1, in A.M.L.

pág. 7.jpg

Projecto do cruzamento das avenidas de Roma e dos Estados Unidos da América 1951/2, pág. 7, in A.M.L.

pág. 10.jpg

Projecto do cruzamento das avenidas de Roma e dos Estados Unidos da América 1951/2, pág. 10, in A.M.L.

pág. 14.jpg

Projecto do cruzamento das avenidas de Roma e dos Estados Unidos da América 1951/2, pág. 14, in A.M.L.

pág. 15.jpg

 Projecto do cruzamento das avenidas de Roma e dos Estados Unidos da América 1951/2, pág. 15, in A.M.L.

63 serodio.jpg

 Cruzamento da Avenida dos Estados Unidos da América com a Avenida de Roma, 1963, foto de Armando Serôdio, in a.f. C.M.L.

Avenida dos Estados Unidos da América no cruzamen

Cruzamento da Avenida dos Estados Unidos da América com a Avenida de Roma, foto de Artur Pastor, in a.f. C.M.L.

 

 

 

 

Quinta da Mineira

Junto aos Arcos, no Alto da Serafina, situava-se a Quinta da Mineira, cujo edifício principal e a própria quinta foram, em 1893, por disposição testamentária dos proprietários, Emília Adelaide D' Espie Miranda e João José Miranda, destinados a asilo de pessoas idosas, tendo sido este inaugurado em 1900.

Aqueduto das Águas Livres, e mario novais.jpg

Aqueduto das Águas Livres, foto do estúdio Mario Novais, in a.f. C.M.L.

Centro Popular d'Espie Miranda, ferreira da cunha

Centro Popular d'Espie Miranda, foto de Ferreira da Cunha, ant 1937, in a.f. C.M.L.

Vale de Alcântara no sítio de Campolide.jpg

Vale de Alcântara no sítio de Campolide, Casa Fotográfica Garcia Nunes, in a.f. C.M.L.

 

 

Lisboa antiga

"A evocação da Lisboa antiga que Matos Sequeira fez surgir sôb um luar fictício mas bem apresentado, deu-nos perfeitamente a ideia de tudo o que êste ilustre investigador é capaz.
O curioso bairro que fez erguer sôbre as ruínas do antigo convento das Francesinhas representa um verdadeiro prodígio de rapidez, erudição e bom gosto.
Voltamos a encontrar a velha e sempre formosa Lisboa com todos os seus defeitos e encantos do século XVII."
in Ilustração N.º 228

São Bento com a exposição Lisboa Antiga edu.jpg

São Bento com a exposição Lisboa Antiga, foto de Eduardo Portugal, in a.f. C.M.L.

Integrada nas Festas de Lisboa 1935, que se iniciaram a 1 de Junho e terminaram no dia 16 de Junho, a Exposição Lisboa Antiga foi inaugurada no dia 4 de Junho, pelas 17.00 Horas, e manteve-se aberta até 4 de Agosto, tendo sido visitada por mais de 180.000 pessoas.
in "Anuário da Câmara Municipal de Lisboa", vol. I, 1935

Cartaz alusivo às Festas de Lisboa, cortesia de J

Cartaz alusivo às Festas de Lisboa, 1935, cortesia de José Augusto

Capa do programa das festas da cidade de 1935, cor

Capa do programa das festas da cidade de 1935, cortesia de Carlos Caria

São Bento com a exposição Lisboa Antiga.jpg

 Lisboa Antiga, foto de Eduardo Portugal, in a.f. C.M.L.

São Bento com a exposição Lisboa Antiga1.jpg

Lisboa Antiga, foto de Eduardo Portugal, in a.f. C.M.L.

São Bento com a exposição Lisboa Antiga3.jpg

Lisboa Antiga, foto de Eduardo Portugal, in a.f. C.M.L.

São Bento com a exposição Lisboa Antiga6.jpg

Lisboa Antiga, foto de Eduardo Portugal, in a.f. C.M.L.

São Bento com a exposição Lisboa Antiga8.jpg

 Lisboa Antiga, foto de Eduardo Portugal, in a.f. C.M.L.

São Bento com a exposição Lisboa Antiga7.jpg

Lisboa Antiga, foto de Eduardo Portugal, in a.f. C.M.L.

 

Jardim das Francesinhas

"No local onde em tempos se ergueu o Convento das Francesinhas, perto da Assembleia da República, situa-se agora o Jardim Lisboa Antiga, mais conhecido por Jardim das Francesinhas. Nos anos 30 do século XX, concluída a demolição do convento após duas décadas de trabalhos, a Câmara Municipal decidiu construir nesse terreno, por ocasião das festas da cidade, um bairro antigo em miniatura, evocando o tempo das freiras do convento. Este parque de diversões, construído em 1935, recebeu o nome de Lisboa Antiga, e obteve um grande sucesso na Lisboa da época. Pouco mais de uma década depois, em 1949, neste mesmo local era inaugurado um jardim de traçado geométrico, com a estátua "A Família", de Leopoldo de Almeida, dominando todo o espaço, ainda sem árvores."

in http://www.cm-lisboa.pt/equipamentos/equipamento/info/jardim-das-francesinhas-jardim-lisboa-antiga

Jardim ao sul do Palácio de São Bento.jpg

Jardim das Francesinhas, foto de António Passaporte, in a.f. C.M.L.

A Família, grupo escultórico da autoria do escul

A Família, grupo escultórico da autoria do escultor Leopoldo de Almeida, foto de António Passaporte, in a.f. C.M.L.

Pedras provenientes da demolição do Arco de São

Pedras provenientes da demolição do Arco de São Bento colocadas no terreno onde foi o Convento das Francesinhas, foto de Eduardo Portugal, in a.f. C.M.L.

Obras municipais em terrenos junto da entrada prin

Obras municipais em terrenos junto da entrada principal do palácio de São Bento, foto de Eduardo Portugal, in a.f. C.M.L.

Obras municipais junto do palácio de São Bento,

Obras municipais junto do palácio de São Bento, foto de Eduardo Portugal, in a.f. C.M.L.

Rua das Francesinhas, 1946, edu.jpg

Rua das Francesinhas, foto de Eduardo Portugal, in a.f. C.M.L.

Nuno da Cunha

Nuno da Cunha, Governador da India entre 1529 e 1538, filho de Tristão da Cunha e de D.ª Antónia de Albuquerque, nasceu em 1487 e faleceu em 1539.

D. João III  nomeou-o governador da Índia, para onde partiu em Abril de 1528. Em 1531 mandou edificar a fortaleza de Chalé para melhor vigiar Calecute e, em 1534, obteve do sultão de Cambaia as ricas terras de Baçaim. Em 1535 o sultão de Cambaia pede auxílio aos portugueses contra os mongóis, oferecendo-lhe em troca a ilha de Diu. Morre no regresso a Portugal no Cabo da Boa Esperança, com 52 anos, e por sua vontade o corpo é lançado ao mar.

Estátua de Nuno da Cunha, de autoria do escultor

Estátua de Nuno da Cunha, de autoria do escultor Severo Portela, que esteve exposta na praça do Areeiro, 1961, foto de Artur Goulart, in a.f. C.M.L.

Estátua de Nuno da Cunha da autoria do escultor S

 Estátua de Nuno da Cunha, de autoria do escultor Severo Portela, que esteve exposta na praça do Areeiro, 1961, foto de Artur Goulart, in a.f. C.M.L.

Palácio dos Estaus

 

"Erigido na frente norte do terreiro do Rossio, encostado à muralha fernandina, o palácio dos Estaus evoluiu no decurso de quase quatro séculos de existência de uma construção dimensionada para acolher embaixadores estrangeiros, fidalgos e episodicamente a Corte, para um complexo eclesiástico de tipo judicial e administrativo. Elevado a sede da Inquisição de Lisboa, foi organizado em estruturas administrativas, prisionais, habitacionais e outros anexos num conjunto que desde a fundação se evidenciou na imagem urbana de Lisboa, não só pela robustez de quase baluarte, como pelo poderoso simbolismo que atravessou toda a Modernidade. Destruído pelo terramoto, de novo erigido e de permeio a várias identidades, no seu culminar, das cinzas nasceu outro palácio, desta feita, um símbolo da cultura, o teatro D. Maria II."
in Cadernos do Arquivo Municipal tese de Delminda Maria Miguéns Rijo

Paço dos Estaus no Rossio, foto de Bárcia.jpg

Paço dos Estaus no Rossio, foto de José Arthur Leitão Bárcia, in a.f. C.M.L.

Palácio da Inquisição no Rossio, foto de estúd

Palácio da Inquisição no Rossio, foto do estúdio Mário Novais, in a.f. C.M.L.

A reunião da Junta Provisória do Governo Supremo

A reunião da Junta Provisória do Governo Supremo do Reino e Regência Interina de Lisboa no Palácio da Regência na Praça do Rossio, foto do Estúdio Mário Novais, in a.f. C.M.L.

Teatro Nacional Dona Maria II.jpg

Teatro Nacional Dona Maria II, foto de Eduardo Portugal, in a.f. C.M.L.

Pág. 1/3

Mais sobre mim

foto do autor

Calendário

Julho 2016

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31

Pesquisar

 

Visitante

Tradutor

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D