Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Paixão por Lisboa

Espaço dedicado a memórias desta cidade

Paixão por Lisboa

Espaço dedicado a memórias desta cidade

A sopa de Arroios

"O Largo de Arroios, anteriormente designado por Largo do Cruzeiro ou do Cruzeiro de Arroios, também se tornou célebre no começo do século XIX, pelas cenas populares de que foi teatro, por ocasião da terceira invasão francesa, em 1810. Encheu-se a capital, de gente fugida das diferentes terras do Reino, ao aproximar-se o exército de Massena.
Cinquenta mil pessoas, aproximadamente, entraram, por essa ocasião em Lisboa, sem contar as que ficaram nas vilas e aldeias suburbanas. Era necessário acudir a estes infelizes. Os governadores do Reino, o Senado da Câmara e diversos cidadãos beneméritos, organizaram várias obras sociais, entre as quais, a distribuição diária de sopas económicas, que se serviam em vários locais, onde se estabeleciam acampamentos improvisados.
O Largo de Arroios, pela sua área e também porque ficava perto de uma das entradas da cidade, foi igualmente escolhido por muitos infelizes que se estendiam a descansar em redor das poucas bagagens de que dispunham. Aí se fazia a distribuição da sopa, o que inspirou a Domingos António Sequeira, contemporâneo destes acontecimentos e morador no Largo de Arroios, o seu conhecido e excelente desenho, «sopa de Arroios», de que, depois, Gregório Fernandes de Queiroz, discípulo do célebre Barrolozzi, fez uma boa gravura, tendo os contornos das figuras, sido abertos pelo próprio Domingos Sequeira."

in "Revista Municipal", n.º 85, de 1960

icon560494.jpg

A. S. A. L. o Príncipe Regente Nosso Senhor, Augusto, Pio, Magnanimo, Pai da Patria ... Representa a distribuição do alimento aos infelizes emigrados q.desampararão as suas terras assoladas pelo exercito francez na invasão de Outubro de 1810 e foram accolhidos, hospedados e sustentados pelos, moradores de Lisboa com mais louvável patriotismo e humanidade [Iconográfico]
in - http://objdigital.bn.br/acervo_digital/div_iconografia/icon560494/icon560494.jpg

 

 

Palácio dos Condes de São Miguel

"O palácio que foi primitivamente dos Condes de São Miguel e, mais tarde, dos Condes dos Arcos.
O palácio ocupava parte do terreno das actuais ruas dos Anjos e António Pedro, e serviu, mais tarde, de colégio de rapazes, do qual era director, José Pedro Rosado, tendo uma frequência de cinquenta alunos.
Em 1845, o palácio era novamente residência particular. Nele morava então, com sua família, o Conde-Barão de Alvito (António Luís de Sousa Coutinho). Mais tarde, em 1854, esteve ali instalada a fábrica de lanifícios, fundada por José António Teixeira; depois, em 1873, o edifício serviu de estação do caminho de ferro «Larmanjat». Em seguida veio a Fábrica de Cerveja Leão, que permaneceu naquele lugar até 1915.
Nos terrenos pertencentes ao palácio, existiam, nos fins do século XVI, a quinta e casas de Diogo Botelho, amigo e partidário de D. António Prior do Crato. O 1.º Conde de São Miguel foi 3.º neto de Diogo Botelho e herdou os terrenos e grangeios que pertenceram, depois à casa dos Condes dos Arcos.
No palácio hospedou-se D. António, em 1580, pouco antes da derrota que sofreu na Ponte de Alcântara, em combate contra o Duque de Alba.
Já muito arruinado, e dada a sua situação quase arrabaldina, serviu em 11 de Outubro de 1875 para, em parte dele ou dos terrenos que o circundavam e lhe pertenciam, se efectuar um comício republicano, em propaganda da candidatura de José Elias Garcia para deputado."
Este artigo publicado na "Revista Municipal", n.º 85, de 1960, deixa-me dúvidas quanto à sua exactidão; tanto Norberto de Araújo, como Luís Pastor de Macedo, dois ilustres Olisipógrafos, colocam a "Fábrica de Lanifícios de Arroios", noutro Palácio, o dos Condes de Mesquitela, que se encontrava precisamente do outro lado da Rua dos Anjos.

Outra dúvida prende-se com a data da Fábrica de Cerveja Leão no local - 1915. A imagem que acompanha este texto, referente à Fábrica de Cervejas Peninsular, foi tirada durante a actividade da dupla Machado & Souza, actividade essa que ocorreu entre 1898/1908. Na melhor das hipóteses em 1908, já seria Fábrica de Cervejas Peninsular.

Palácio de São Miguel,Revista Municipal, Ano XXI

 Palácio dos Condes de São Miguel, 1898 1908, foto de Machado & Souza, in a.f. C.M.L.

Atlas da carta topográfica de Lisboa, n.º 13, 18

Atlas da carta topográfica de Lisboa, n.º 13, 1858, de Filipe Folque, in A.M.L.

Palácio dos Condes de São Miguel, 1898 1908, fot

Palácio dos Condes de São Miguel, 1898 1908, foto de Machado & Souza, in a.f. C.M.L.

Planta Topográfica de Lisboa, 11 J, 1910, de Albe

Planta Topográfica de Lisboa, 11 J, 1910, de Alberto de Sá Correia, in A.M.L.

Rua de Arroios, Fábrica de Cerveja Peninsular, su

Rua de Arroios, Fábrica de Cerveja Peninsular, sucessora da Fábrica de Cerveja Leão, 1898 1908, foto de Machado & Souza, in a.f. C.M.L.

Pátio dos Quintalinhos

No Pátio dos Quintalinhos, situado no n.º 3, das Escolas Gerais, antigamente denominado, Paços do Infante Dom Henrique, funcionou a Universidade de Lisboa, antes da sua transferência para Coimbra em 1537.
Onde actualmente funciona uma unidade de alojamento local, foram casas doadas por Dom Henrique às Escolas Gerais, em 1431.

"O primeiro «Estudo Geral» foi criado por D. Diniz, precedido de bula papal (Nicolau IV) de Agosto de 1290, e instalado em 1291 no sítio da Pedreira (o Carmo de hoje, e não às Portas da Cruz, a Alfama, como até há dois anos se supôs).
Conservou-se o Estudo Geral naquele sítio da Pedreira até 1302, e nesse ano, ou em 1308 como querem alguns autores, foi transferido para Coimbra.
Em 1338 a Universidade voltou a Lisboa, para o sítio da Cruz a Alfama, «casa da moeda velha», ou cerca delas, contíguas à Rua dos Remédios de hoje, na confluência da actual Rua do Paraíso, regressando a Coimbra em 1354, para tornar a Lisboa (D. Fernando) em 1377, para o sítio «na moeda velha onde sohia estar antes», casas cuja entrega à Universidade foi confirmada por D. João I em Maio de 1389.
Em 1431 o Infante D. Henrique doou às Escolas Gerais umas casas que havia comprado a João Anes, junto ao muro velho da cidade, e que assentavam acima de S. Tomé. Só em 1503 D. Manuel adquiriu, para a Universidade de Lisboa, umas casas neste sítio, e que constituíam os Paços do Infante D. Henrique, as quais, ligadas a outras que a Universidade já possuía, tornaram possível um «edifício novo» - como hoje se diria.
Note-se que toda a área entre a Porta do Sol (Santa Luzia), a de Alfama e a de Santo André era considerada Bairro dos Escolares, com seus privilégios, dos quais os estudantes por vezes abusaram.
E nestes Paços do Infante, e anexos, tornados em conjunto, e renovados, as Escolas Gerais se conservaram até 1537 (D. João III), ano em que a Universidade transitou definitivamente para Coimbra."
in Peregrinações em Lisboa", Livro 8, pág.s 87 e 88, de Norberto de Araújo.

Paços do Infante Dom Henrique, pátio dos Quintal

Paços do Infante Dom Henrique, pátio dos Quintalinhos, ant. 1957, fotógrafo n/i, in a.f. C.M.L.

Atlas da carta topográfica de Lisboa, n.º 44, 18

Atlas da carta topográfica de Lisboa, n.º 44, 1858, de Filipe Folque, in A.M.L.

Rua das Escolas Gerais, portão de acesso ao Páti

Escolas Gerais, portão de acesso ao Pátio dos Quintalinhos, 1899, foto de Machado & Souza, in a.f. C.M.L.

Rua das Escolas Gerais, anos 70, foto de Casa Foto

Escolas Gerais, o portão de acesso ao Pátio dos Quintalinhos encontra-se por trás do poste metálico, anos 70, foto de Casa Fotográfica Garcia Nunes, in a.f. C.M.L.

O Camarote Real do Teatro D. Amélia

Uma curiosidade que se prende com o camarote da Casa Real, no antigo Teatro D. Amélia, actual teatro Municipal S. Luiz:
O antigo Teatro D. Amélia, foi construído em terras da Casa de Bragança, onde outrora existiam umas cocheiras, casas de arreios, cavalariças, palheiros, e outras edificações.
Inaugurado em 22 de Maio de 1894, viu o seu nome alterado para Teatro da República, após a revolução de 5 de Outubro de 1910, e posteriormente para Teatro de S. Luiz, em homenagem ao seu empresário, o Visconde de S. Luiz de Braga. Em 1971 torna-se Teatro Municipal com a designação Teatro Municipal São Luiz.
O camarote que a Casa Real detinha no teatro, resultava de um ónus sobre o edifício, e era extremamente sumptuoso, espelhos veludos, tinha uma antecâmara, uma casa de banho própria e uma porta independente.
Com a revolução de 5 de Outubro, e com o embarque da família Real na Ericeira, foram-se as chaves do referido camarote. Constituído o Governo provisório, assim que o primeiro presidente quis lá entrar, não teve outra solução senão mandar arrombar a porta. A quem o objectou dizendo-lhe ser o camarote da Casa Real, respondeu Afonso Costa, que tendo esta sido extinta, o mesmo passaria para a Suprema Magistratura do País, coisa diferente se fosse da Casa de Bragança, entidade particular.
Com a vinda de Sidónio Pais, e a destituição de Bernardino Machado, mais uma vez a chave desaparece, e mais uma vez a solução passa por arrombar a porta.
Novo presidente, novo arrombamento. Só com a resignação de Bernardino Machado, após o 28 de Maio, na pessoa do comandante Cabeçadas, ficou a famosa chave na presidência da República.

Teatro Municipal de São Luiz, antigo teatro Dona

Teatro Municipal de São Luiz, antigo teatro Dona Amélia, post. 1910, foto de Joshua Benoliel, in a.f. C.M.L.

Teatro Municipal de São Luiz, antigo teatro Dona

Teatro Municipal de São Luiz, antigo teatro Dona Amélia, ant. 1910, foto de Joshua Benoliel, in a.f. C.M.L.

 

O Fado e o Futebol, no Ferro de Engomar

A propósito da equipa Portuguesa de futebol, que participou nos Jogos Olímpicos de 1928, em Amesterdão, uma notícia na última página do "Diário de Lisboa", de 11 de Junho de 1928, tinha como título "A Guitarra que foi a Amsterdam".
Tanscrevo aqui as palavras que acompanham o título:
"Os portugueses levaram comsigo uma guitarra, que gemeu o fado no caminho, serviu para animar os rapazes em Amsterdam, e nela, á falta de orquestra, se tocou o hino nacional.
Ámanhã, por convite feito aos jogadores e aos seus dirigentes, que estes aceitaram, realiza-se, no Ferro de Engomar, na Estrada de Bemfica, uma das festas tradicionais do fado, na qual aparecerão notaveis cantores, e algumas amadoras de fama, que raro cantam em publico.
É um jantar de homenagem aos jogadores, e durante o qual será colocada uma placa de ouro comemorativa, na guitarra que foi a Amsterdam.
Deve ser uma bela reunião da gente dos clubs, em honra dos 18 jogadores. O anuncio que publicamos noutro lugar, diz como o acontecimento se realiza."
O Ferro de Engomar, era um dos mais famosos retiros dos arredores da Lisboa antiga. O edifício original, de meados do século XIX, possuía o característico pátio com latadas. A designação do estabelecimento, adveio da sua sala de jantar, com a configuração de um ferro de engomar.

Fado amador no restaurante Ferro de Engomar, na es

Fado amador no restaurante Ferro de Engomar, na estrada de Benfica, c. 1930, foto de Ferreira da Cunha, in a.f. C.M.L.

canvas1.png

 O anúncio publicado no "Diário de Lisboa", de 11 de Junho de 1928

Fado amador no restaurante Ferro de Engomar, na es

Fado amador no restaurante Ferro de Engomar, na estrada de Benfica, c. 1930, foto de Ferreira da Cunha, in a.f. C.M.L.

Pátio do Geraldes

"Do lado direito da rua de Entremuros, ao fundo de um caminho que se abre em frente da travessa da Fábrica dos Pentes, fica o Páteo do Geraldes. Dentro do páteo — a fachada principal voltada ao poente — o palácio.
Entremos no terreiro. Eu digo ao leitor o que se via há poucos anos ainda. A casa dos Geraldes, sacrificada ao desenvolvimento urbano vai-se derruindo aos poucos. As altas chaminés cónicas que eram tanto da fisionomia do sitio, já lá foram; o resto irá indo."
É desta forma que  Gustavo Matos Sequeira nos apresentava a entrada no Pátio dos Geraldes no primeiro quartel do séc. XX, na sua obra "Depois do terremoto; subsídios para a história dos bairros ocidentais de Lisboa", Vol. IV, impressa em 1933. conheçamos um pouco mais deste palácio e do seu pátio.
Este pátio fazia parte de uma Quinta dos Padres da Congregação do Oratório de São Filipe Nery, adquirida pelo desembargador Bartolomeu José Nunes Cardoso Geraldes de Andrade, por volta de 1775.
Fez-lhe este obras, e, em 1779, já lá se achava residindo o desembargador e sua família, com trinta e seis criados e escravos.
O palácio dos Oratorianos, passou então, a pouco e pouco, a chamar-se «do Geraldes».
Em parte do palácio esteve instalada de 1813 a 1818 o Colégio de Nossa Senhora da Conceição, em 1819, mudou-se o Colégio, para outra casa, e ficou parte da casa devoluta. Nesse ano foi habitar o palácio D. José Sebastião de Saldanha e Daun com sua mulher D. Leonor Manuel de Vilhena e numerosa prole.
Em Agosto de 1831 foi a propriedade vendida em hasta pública, e em 1836, um anúncio indicava o arrendamento da quinta.
Arrendou a casa o Marquês de Penalva, e em 1841 surgia de novo anúncio para o seu arrendamento.
João José Vaz Preto Geraldes e sua mulher D. Joana Carlota Geraldes de Bourbon, habitaram o palácio, de 1844 a de 1845, voltando outra vez a ser mencionados em 1848.
De 1864 a 1871, o Conselheiro Joaquim José Marques Caldeira, morou aqui e, em 1867, os Condes de Farrobo, o Conde de Tavarede e a Condessa de Prado e Silva ocupavam todo o andar nobre.
Em 1869 tinha o palácio um ilustríssimo inquilino, nada menos do que o marechal duque de Saldanha.
A última proprietária do palácio foi a condessa de Foz de Arouce que o herdou de seu pai o marquês da Graciosa, Fernando Afonso Geraldes de Andrade Barba, neto do Desembargador Bartolomeu José Geraldes Cardoso de Andrade.

Em 1914, no âmbito do "projecto da 1ª zona da Picoas", no qual constituía a parcela nº 18, o edifício e restante propriedade, é expropriada por utilidade pública pela Câmara Municipal de Lisboa, em sessão de 3 de Abril de 1914.

Em 1939, ainda subsistiam as bases das chaminés cónicas do edifício.

 

Pátio do Geraldes, sd, foto de José Arthur Leit

Pátio do Geraldes, s/d, foto de José Arthur Leitão Bárcia, in a.f. C.M.L.

Quinta dos Padres da Congregação de S. Filipe Ne

Quinta dos Padres da Congregação de S. Filipe Nery a vermelho, e o Palácio dos Geraldes a amarelo, in "Depois do terremoto; subsídios para a história dos bairros ocidentais de Lisboa", Vol. I, de Gustavo Matos Sequeira.

Planta Topográfica de Lisboa 9 I, 1911, sw Albert

Planta Topográfica de Lisboa 9 I, 1911, de Alberto de Sá Correia, in A.M.L.

Projecto da Rua Castilho.jpg

Projecto da Rua Castilho, com a Planta da propriedade da Condessa de Foz de Arouce, Maria Joana de Bourbon Melo Geraldes, herdeira do Marquês da Graciosa, que constitui a parcela nº 18 do projecto da 1ª Zona das Picoas, denominada Pátio do Geraldes e cuja expropriação por utilidade pública foi declarada pela Câmara Municipal de Lisboa, em sessão de 03 de Abril de 1914, in A.M.L.

p.jpg

in "Depois do terremoto; subsídios para a história dos bairros ocidentais de Lisboa", Vol. IV, de G. de Matos Sequeira

p1.jpg

in "Depois do terremoto; subsídios para a história dos bairros ocidentais de Lisboa", Vol. IV, de G. de Matos Sequeira

Pátio do Geraldes, sd, fotógrafo ni, in a.f. C.M

Pátio do Geraldes, s/d, fotógrafo n/i, in a.f. C.M.L.

-----

Adenda às 00:19 H, do dia 20/6/2017

ea-142-a_0017_9_t24-C-R01501.jpg

Pátio do Geraldes, por trás do Pavilhão Real, 1888, prova em albumina, de Augusto Bobone, in "Exposição Pecuária Nacional em 1888 : photographias 1888", B.N.P.

 

A esgrima no exército. em 1890

Tal era o estado em que se encontrava a instrução no exército, nos finais do séc. XIX, que, em Abril de 1890, "A Vedeta: orgão militar independente.", no seu primeiro número, fazia alusão à situação nos seguintes termos:
"A esgrima no exercito

Todo o exercito que não póde tirar de si proprio os elementos necessarios á sua instrucção, disciplina e manutenção, não tem razão de ser.

Não ha muito, vimos com profunda magua introduzir no exercito individuos da classe civil para adestrar os officiaes no manejo das suas proprias armas, isto é, os que deviam ser instructores passarem a ser instruidos!
Não discutimos as pessoas, nem o podiamos fazer; são cavalheiros estimabilissimos e d'uma aptidão excepcional...poderiam até estes mesmos cavalheiros, remunerados pelo governo, adestrar particularmente os officiaes que lhes fossem indigitados, que depois seriam os mestres d'armas dos seus camaradas.
Tudo, tudo menos o tornar publico que os officiaes do exercito não só não sabiam servir-se das armas com que se «decoravam», mas até eram incapazes de o conseguir sem que individuos da classe civil lhes viessem ministrar essa instrucção.
A disciplina militar funda-se na hierarchia, e essa não a teem aquelles cavalheiros, nem a adquirirão pela consignação d'uma graduação qualquer. É preciso acabar de vez com o ingresso de individuos não militares nos serviços do exercito. «O habito não faz o monge».
N'um momento d'obcecação, commetteu-se um erro - «errare huanum est» -; é virtude não perserverar."

Colégio Militar, exercícios de esgrima, sd, fot

 Colégio Militar, exercícios de esgrima, s/d, fotógrafo n/i, in a.f. C.M.L.

Duelo de esgrima durante uma visita de Dom Carlos

Duelo de esgrima durante uma visita de Dom Carlos à Escola do Exército, 1904, foto de António Novaes, in a.f. C.M.L.

Rei Dom Carlos assistindo a exercícios de esgrima

Rei Dom Carlos assistindo a exercícios de esgrima, 1904, foto de Alberto Carlos Lima, in a.f. C.M.L.

Torrinha

Das casas edificadas, nas várias quintas, demolidas para a construção do Parque da Liberdade, renomeado de Parque Eduardo VII, em honra do monarca inglês que visitou Lisboa, a que chamava a atenção, não pela sua grandeza, mas pela sua singularidade era a "Torrinha". Tinha a particularidade de ter como parte destacada, uma torre octogonal, rasgada de janelas em dois pisos acima do rés-do-chão, coberta por um telhado em forma de pirâmide também octogonal e toda ela pintada de cor-de-rosa, constituindo um traço fisionómico muito característico de paisagem lisboeta.

Pode-se afirmar que, em 1764 eram a quinta e casas da Torrinha pertença de Luís da Fonseca Claro, oficial da Secretaria do Tabaco, sendo as ditas casas descritas como constando de «lageas e sobrados» e o seu rendimento avaliado em 36$000 réis.
O último proprietário conhecido foi o capitalista José Maria Eugénio de Almeida, que já era proprietário de várias terras confinantes, ficando na posse da família até à cedência à C.M.L. dos terrenos que fazem hoje parte do Parque Eduardo VII.
O último inquilino da Câmara na Torrinha foi Gustave Mathieu, que após intimação para o seu despejo, impugna judicialmente a dita ordem, conseguindo adiar o inadiável.
A demolição da Torrinha começou na Sexta-Feira Santa, 24 de Abril de 1916.

Editado em 22-03-2017, 19:21 H, após colaboração do confrade Bic Laranja, vd, caixa de comentários.

Parque Eduardo VII, casal da Torrinha, ant. 1916,

Parque Eduardo VII, casal da Torrinha, ant. 1916, foto de Paulo Guedes, in a.f. C.M.L.

Quinta da Torrinha.jpg

Quinta da Torrinha, in "Depois do terremoto; subsídios para a história dos bairros ocidentais de Lisboa", Vol. I, de Gustavo Matos Sequeira.

0001_M (1).jpg

Monumento aos Restauradores e panorâmica da avenida da Liberdade, a seta aponta a localização da "Torrinha", ant. 1916, foto de Augusto Bobone, in a.f. C.M.L.

Parque Eduardo VII, casal da Torrinha, ant. 1916,

Parque Eduardo VII, casal da Torrinha, ant. 1916, foto de José Arthur Leitão Bárcia, in a.f. C.M.L.

torrinha.jpg

Planta da Av.da Liberdade e do então Parque da Liberdade, publicada na Revista "O Occidente"

0001_M (2).jpg

 Avenida da Liberdade, a seta aponta a localização da "Torrinha", ant. 1916, foto de Alexandre da Cunha, in a.f. C.M.L.

Parque Eduardo VII, casal da Torrinha, ant. 1916,

Parque Eduardo VII, casal da Torrinha, ant. 1916, foto de Joshua Benoliel, in a.f. C.M.L.

-----

Adenda às 00:10 H, do dia 20/6/2017

Casal da Torrinha, 1888, prova em albumina, de Aug

Casal da Torrinha, 1888, prova em albumina, de Augusto Bobone, in "Exposição Pecuária Nacional em 1888 : photographias 1888", B.N.P.

Casal da Torrinha, 1888, prova em albumina, de Aug

Casal da Torrinha, 1888, prova em albumina, de Augusto Bobone, in "Exposição Pecuária Nacional em 1888 : photographias 1888", B.N.P.

 

 

A Festa da Árvore

Vêm estas fotografias, que ilustram esta publicação acompanhadas da seguinte legenda: "O culto da árvore, alunos das escolas plantam árvores no antigo largo do Matadouro", à qual o arquivo fotográfico da C.M.L. junta esta nota: "Artigo na Ilustração Portuguesa, 1910, 21 de Fevereiro". Consultando a referida publicação, podemos constatar, que não se trata das mesmas fotografias, nem o local apresentado é o mesmo.
Pode-se contudo datar ficar a conhecer o início desta tradição, através de uma passagem do Livro de G. de Matos Sequeira, "Depois do terremoto; subsídios para a história dos bairros ocidentais de Lisboa", Vol. II, em que o autor refere: "Á entrada do novo trôço da rua de Alexandre Herculano, recentemente aberto, é que se realizou, em 1908, a festa da árvore. Trinta e oito acácias foram plantadas por crianças de diferentes escolas da capital."
Editado em 22-03-2017, 18:58 H, após colaboração do confrade Bic Laranja, vd, caixa de comentários

A Festa da Árvore, 1908, foto de Joshua Benoliel,

A Festa da Árvore, 1908-1910, foto de Joshua Benoliel, in a.f. C.M.L.

A Festa da Árvore, 1908, foto de Joshua Benoliel,

 A Festa da Árvore, 1908-1910, foto de Joshua Benoliel, in a.f. C.M.L.

0001_M.jpg

 A Festa da Árvore, 1908-1910, foto de Joshua Benoliel, in a.f. C.M.L.

N209_0023_branca_t0.jpg

Ilustração Portuguesa, 1910, 21 de Fevereiro - http://hemerotecadigital.cm-lisboa.pt/OBRAS/IlustracaoPort/1910/N209/N209_item1/P23.html

A Rainha Santa Isabel e o Padrão do Campo Pequeno

O Padrão simboliza a intervenção da Rainha Santa Isabel no conflito entre seu marido, o rei D. Dinis, e o infante D. Afonso, ficando o episódio conhecido como as “Pazes de Alvalade”, conforme consta na lápide:
"Santa Izabel Rainha de Portvgal mandov collocar este padram neste lvgarem memoria da pasceficacao qve nelle fez entre sev marido El Rei D Dnis e sev filho Dom Afonso 4º estando para se darem batalha na era de 1323."

tendo-lhe sido acrescentado:
"No reinado de D.Carlos I
Sendo ministro da Guerra o General L.A. Pimentel Pinto
Foi restaurado este Padrão
Julho de 1904"
A primeira referência conhecida sobre a localização do Padrão data de 9 de Janeiro de 1760, fornecida pelo pároco Urbano Joze de Melo Pinto da Sylva, da freguesia de S. Sebastião da Pedreira, em resposta ao inquérito régio realizado para avaliação dos estragos resultantes do terramoto de 1755.
Outra referência surge em 1862, no " Archivo pittoresco : semanário illustrado", n.º 44, informando-nos que "Acha-se este padrão e inscripção na estrada do Arco Cego, próximo do Campo Pequeno, em um muro do lado direito...

Em memoria d'este novo accordo, a tanto custo alcançado, mandou a santa rainha collocar n'aquelle logar o padrão, que ainda lá vemos.
É singello, modesto, e até humilde, porém n'essas proprias qualidades encerra mais um merecimento, que o recommenda, pois que n'ellas symbolisa a singeleza dos costumes d'aquelles tempos, e a modestia e humildade do viver da santa fundadora."

Em trabalho publicado em 1993, o IPPAR informa que o padrão foi alvo de alterações que descaracterizaram o monumento. "Aquando da sua deslocação para o actual local (embutido num muro pertencente à Câmara Municipal de Lisboa), foram-lhe retiradas a guarda de ferro, as colunas do capitel e a sua guarnição superior. Apresenta-se hoje como uma coluna singela."
Com a construção do edifício da CGD, foi alterada a sua localização, em cerca de 50 metros.
Em 18 de Julho de 1995 ocorreu a inauguração da estrutura na actual localização.
O Padrão foi classificado como Monumento Nacional através do Decreto-Lei de 16 de Junho de 1910, publicado em Diário do Governo n.º 136, I Série, de 23 de Junho de 1910."

purl 6950.jpg

http://purl.pt/6950/3/

ArquivoPitorescoN44_0005_branca_t0.jpg

Archivo pittoresco : semanário illustrado, 5.º Ano, n.º 44, 1862

ArquivoPitorescoN44_0006_branca_t0.jpg

Archivo pittoresco : semanário illustrado, 5.º Ano, n.º 44, 1862

Padrão da Rainha Santa Isabel, sd, foto de Eduard

Padrão do Campo Pequeno, no local original, s/d, foto de Eduardo Portugal, in a.f. C.M.L.

Padrão comemorativo da intervenção da Rainha Sa

Padrão do Campo Pequeno, no local para onde foi transferido, 1949, foto estúdios Mário Novais, in a.f. C.M.L.

Padrão_do_Campo_Pequeno_7079.jpg

 O que resta do padrão inicial, na nova estrutura, foto in Wikimedia Commons 

Padrão_do_Campo_Pequeno_7084.jpg

 Padrão do Campo Pequeno, foto in Wikimedia Commons 

Pág. 1/3

Mais sobre mim

foto do autor

Calendário

Março 2017

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031

Pesquisar

 

Visitante

Tradutor

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D