Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Paixão por Lisboa

Espaço dedicado a memórias desta cidade

Paixão por Lisboa

Espaço dedicado a memórias desta cidade

Theatro do Gymnasio

Theatro do Gymnasio

"O Gymnasio foi, em seu periodo embryogenico, uma barraca
d'arlequins, onde parasitou uma companhia vinda do circo que
floresceu na rua da Procissão, circo que pertencia a José Maria de
Barros. A barraca abrira em 12 d'Outubro de 1845, e tomara o nome de
Novo Gymnasio Lisbonense. Foi elle, por assim dizer, a cellula
germinativa d'onde se envolveria esse corpo perfeitamente organisado
que hoje tem o nome de Theatro do Gymnasio...Aquelle barracão
pertencia a João José da Motta...O Motta achou-se, porém, com o
desejo incoercivel de construir alli um theatro, e, para esse fim,
pediu o auxilio de Manuel Machado. Mas, porque sempre ha um mas, o
Motta apenas dispunha da magra quantia de seiscentos mil
réis...Construi-se o theatro com aquella diminuta quantia, e escusado
será dizer, que ficou uma perfeita gaiola, de tal ordem, que nem a
auctoridade permittia a sua abertura, tornando-se então necessarios
os bons officios do conselheiro Silva Canellas, sem cuja intervenção
talvez baldassem os esforços empregados. O Motta requereu em 20 de
Março de 1846 para dar espectaculos de declamação no novo theatro, e
para lhe mudar a denominação de Gymnasio lisbonense para Theatro do
Gymnasio. O Alvará de 8 de Maio de 1846, referendado pelo conde de
Thomar, concedeu-lhe a licença pelo tempo de seis mezes...Em 1846
inaugurava-se aquelle templo da travessa do Secretario de Guerra...O
espectaculo d'abertura realisou-se com Os fabricantes de moeda falsa,
original de Cesar Pirini de Lucca, professor do Conservatorio."
in "Lisboa d'outros tempos", de Pinto de Carvalho

Teatro do Ginásio ant 1921 n i.jpg

Teatro do Ginásio ant 1921,fotógrafo n/i, in a.f.C.M.L.

Teatro do Ginásio, bilheteira Alberto Carlos Lima

Teatro do Ginásio, bilheteira, foto de Alberto Carlos Lima, in a.f.C.M.L.

hg-16203-1-p_0009_t24-C-R0150.jpg

Planta e preços dos lugares em 1887, "Plantas dos Teatros", in B.N.P.

Levantamento topográfico de Francisco Goullard n

Levantamento topográfico de Francisco Goullard, nº 369, in A.M.L.

Levantamento topográfico de Francisco e César Go

Levantamento topográfico de Francisco e César Goullard, planta nº 42, in A.M.L.

"A 6 de novembro de 1921 (estava em cena o espetáculo O célebre Pina), um incêndio irrompeu de madrugada deixando o teatro em escombros.
O Teatro do Ginásio só voltou a abrir em 1925, com a apresentação do espetáculo A guerra do vinho a 27 de novembro. O novo edifício, com arquitetura de João Antunes e decoração de Joaquim Viegas e Domingos Costa, tinha toda a comodidade necessária, podendo mesmo dizer-se que tinha luxo e tecnologia. Até à década de 30 ocuparam o Ginásio as companhias Rey Colaço-Robles Monteiro, Palmira Bastos, Ilda Stichini e, a partir daí, apresentaram-se sobretudo companhias estrangeiras como o Théâtre de l’Oeuvre e a companhia Roger Manteaux."
in http://cvc.instituto-camoes.pt/teatro-em-portugal-espacos/teatro-do-ginasio.html#.Vuas_X2LSt8

Incêndio no teatro do Ginásio, 1921, Ferreira da

Incêndio no teatro do Ginásio, 1921, foto de Ferreira da Cunha, in a.f.C.M.L.

Teatro do Ginásio edu port como a figura.jpg

Teatro do Ginásio, foto de Eduardo Portugal, in a.f.C.M.L.

Feira Popular de Lisboa, no antigo parque, José Maria Eugénio

"Quando aqui há anos O Século pensou em aproveitar o esplêndido Parque de Palhavã, para o estadear de uma feira que recordasse as antigas feiras alfacinhas, com todo o pitoresco de que os velhos estavam saudosos e os novos ainda não conheciam, o espectáculo constituiu uma revelação e um surpresa...A reconstituição fez-se, sem reproduzir o antigo, o que era impossível, mas dando a sugestão dele, que era o essencial. Evidentemente, que aos velhos algumas coisas faltaram, mas aos novos não faltou a sensação do seu tempo. lá tiveram o "algodão doce" e outras modernices...Todos gostaram da Feira Popular de Palhavã...Havia a mais os altos-falantes, havia, mas a alegria o "brouhaha" eram os mesmos. E gritavam satisfeitos:-Já temos, de novo, onde passar as noites em Lisboa."
in http://hemerotecadigital.cm-lisboa.pt/OBRAS/RevMunicipal/N41/N41_item1/P1.html

Circo na Feira Popular, no seu primeiro ano de fun

Circo na Feira Popular, no seu primeiro ano de funcionamento no parque José Maria Eugénio, foto de Judah Benoliel, in a.f. C.M.L.

Feira Popular de Lisboa no antigo parque José Mar

Feira Popular de Lisboa no antigo parque José Maria Eugénio, foto de Ferreira da Cunha, in a.f. C.M.L.

Feira Popular de Lisboa no antigo parque José Mar

 Feira Popular de Lisboa no antigo parque José Maria Eugénio, foto de Ferreira da Cunha, in a.f. C.M.L.

Feira Popular de Lisboa no antigo parque José Mar

Feira Popular de Lisboa no antigo parque José Maria Eugénio - colónia Balnear Infantil do Século, foto de Eduardo Portugal, in a.f. C.M.L.

 

Mais sobre mim

foto do autor

Calendário

Março 2016

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D