Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Paixão por Lisboa

Espaço dedicado a memórias desta cidade

Paixão por Lisboa

Espaço dedicado a memórias desta cidade

A Igreja Do Menino Deus

"Foi este templo começado a edificar nos princípios do Século XVIII, lançando-lhe a primeira pedra D. João V, em 4 de Julho de 1711, conforme se pode ler no escudo que sobresai por cima da porta principal.
Deu nome a esta Igreja, onde entrou com aparatoso cerimonial em 25 de Março de 1737, a imagem do Menino Jesus, tida por milagrosa, oferecida à Ordem Terceira pela Madre Cecília de Jesus, do Convento da Madre de Deus, segundo vem mencionado no <<Portugal Dicionário>>, de Esteves Pereira e Guilherme Rodrigues.
Parece não haver dúvidas ter sido o arquitecto desta obra o célebre Ludovice, autor do projecto do Convento de Mafra e de outras obras espalhadas pelo país, embora Custódio Vieira, outro arquitecto da época, aqui também tivesse colaborado, conforme o afirma Gonzaga Pereira no seu livro <<Monumentos sacros de Lisboa>>, que o aponta como autor das escadas da Igreja...A composição da fachada, como se observa nos corpos laterais, é formada por duas ordens arquitectónicas, sendo a inferior a dórica e a superior a jónica.
Sobe-se, no corpo central da Igreja, por dois lanços de escada de 12 degraus cada um para o patim da entrada, abrindo-se neste a porta principal, que é ladeada por um pórtico de ordem coríntia com colunas estriadas, sendo o entablamento rematado, nos extremos, por grandes volutas e, ao centro, por um escudo onde se lê em 5 linhas a seguinte legenda: <<O muito alto e poderoso Rei de Portugal D. JoãoV, lançou a primeira pedra e tôda esta obra em 4 de Julho de 1711>>...É curiosa esta igreja por não possuir janelas na frente principal, a não ser o janelão que se encontra sôbre a porta de entrada e ilumina o côro.
As aberturas que aparecem na fachada, oito nos corpos laterais, dando para as escadas de caracol, e duas no corpo central que iluminam o côro, podem ser consideradas antes como frestas abertas em tabelas, do que como janelas, pouco valorizando a composição realmente grandiosa da fachada."
in Olisipo : boletim do Grupo "Amigos de Lisboa", Ano IV, n.º 16, Outubro 1941

Panorâmica de Alfama onde se destaca a Igreja do

Panorâmica de Alfama onde se destaca a Igreja do Menino Deus, foto de José Arthur Leitão Bárcia, in a.f. C.M.L.

Atlas da carta topográfica de Lisboa n 44 1.jpg

 Atlas da carta topográfica de Lisboa nº 44 , in A.M.L.

Igreja do Menino Deus, fachada principal, foto de

Igreja do Menino Deus, fachada principal, foto de Armando Serôdio, in a.f. C.M.L.

Olisipo_N16_Out1941_0132.jpg

 in Olisipo : boletim do Grupo "Amigos de Lisboa", Ano IV, n.º 16, Outubro 1941

Igreja do Menino Deus, claustro.jpg

Igreja do Menino Deus, claustro, foto de Eduardo Portugal, in a.f. C.M.L.

Igreja do Menino Deus, fachada principal, foto Est

Igreja do Menino Deus, fachada principal, foto Estúdio Mário Novais, in a.f. C.M.L.

Projecto de rua a ligar o largo de Santa Cruz do C

Projecto de rua a ligar o largo de Santa Cruz do Castelo com o largo do Menino Deus, 1888, in A.M.L.

QUINTA DA PALHAVÃ

"Saindo pelas barreiras de S. Sebastião da Pedreira, estrada de Bemfica, a uns tres kilometros da praça do Commercio, e em linha recta com a mesma, chega-se aos mais lindos suburbios de Lisboa, situados no ameno e excelentissimo valle que vae correndo para o norte em direcção á serra de Cintra.
Logo ao sair das barreiras está a QUINTA DA PALHAVÃ. - Esta propriedade, ainda não ha muitos annos, era celebre pela espessura de seus bosques, pela grandeza dos jardins e preciosa collecção das suas plantas, pela abundancia de estatuas e vasos de marmore que a decoravam, d'entre as quaes algumas sobresaíam por excellencia d'arte, e finalmente pela bondade e frescura de suas aguas. Esta quinta e palacio foram fundados na segunda metade do seculo XVII por D. Luiz Lobo da Silveira, segundo conde de Sarzedas. Seu filho terceiro conde do mesmo titulo, fez-lhe muitos augmentos, entre outros o grande portão da entrada principal, onde avultam as armas desta antiga e illustre familia, que vindo a extinguir-se no seculo passado, reverteram os seus bens para os condes da Ericeira, creados posteriormente marquezes de Louriçal; e pela extinção d'esta casa succederam nos seus morgados os srs. condes de Lumiares. No palacio de Palhavã morreu em 7 de dezembro de 1663 a rainha D. Maria Francisca Isabel de Saboya, filha do duque de Nemours, e mulher del-rei D. Pedro II, tendo ido para alli convallescer. Serviu tambem aquelle palacio de residencia aos principes D. Antonio, D. Gaspar, e D. José, filhos naturaes mas reconhecidos del-rei D. João V (o segundo veiu a ser arcebispo de Braga, e o terceiro inquisidor geral de Lisboa), aos quaes o povo appellidava <<menimnos de Palhavã>>, epitheto que lhes conservou ainda mesmo na velhice.
Durante a longa residencia d'estes principes em Palhavã chegou a quinta ao seu maior esplendor, e mais esmerada cultura. Adornavam-se os seus jardins com a mais rica e bella collecção de plantas exoticas que então havia na capital. Depois da morte dos principes começou a decadencia da quinta, que augmentou posteriormente á invasão franceza de 1808. Porém a grande ruina d'esta propriedade foi causada pelas luctas durante o cerco de Lisboa de 1833, na guerra da restauração da liberdade. Foi theatro de um mortifero combate na tarde e noite de 5 de setembro d'aquelle anno. Palacio e quinta tudo foi assolado. Desde então progrediu a devastação até ao ponto de reduzirem a terras de trigo os seus bosques, pomares, e jardins. Passado tempo alguns dos seus vasos e as figuras de marmore mais pequenas vieram ornar a varanda do jardim que se prolonga com o palacio do sr. conde de Lumiares, ao Passeio Publico. Porém ainda lá se conservam algumas estatuas colossaes, erguendo-se em meio de cearas, e lagos ornados de figuras, tudo feito em Italia, havendo entre estas obras de arte algumas producções do celebre esculptor Bernini. Felizmente esta propriedade foi comprada ha pouco pelos srs. condes de Azambuja, que se propõem a restaurar o palacio e quinta, conservando ao primeiro todas as suas feições primitivas."
in Archivo pittoresco : semanario illustrado, 6.º Ano, n.º 11, 1863

Palácio da Palhavã, foto de Judah Benoliel, in a

Palácio da Palhavã, foto de Judah Benoliel, in a.f. C.M.L.

Planta Topográfica de Lisboa 9 L, 1909, in A.M.L.

Planta Topográfica de Lisboa 9 L, 1909, in A.M.L.

Anteprojeto de novos arruamentos entre a Avenida A

 Anteprojeto de novos arruamentos entre a Avenida António Augusto de Aguiar, Linha Férrea de Cintura, Rua Marquês de Fronteira e Rua de Campolide, in A.M.L.

Palácio da Palhavã, fotógrafo ni, in a.f. C.M.L

Palácio da Palhavã, fotógrafo n/i, in a.f. C.M.L.

Palácio da Palhavã, portão, fotógrafo ni, in a

Palácio da Palhavã, portão, fotógrafo n/i, in a.f. C.M.L.

Palácio de Palhavã, embaixada de Espanha, jardim

Palácio de Palhavã, jardim, foto de Octávio Bobone, in a.f. C.M.L.

Palácio de Palhavã, embaixada de Espanha, jardim

Palácio de Palhavã, jardim, foto de Octávio Bobone, in a.f. C.M.L.

 

Mais sobre mim

foto do autor

Calendário

Maio 2016

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D